Por que você deve chorar por perder os shows do Herbie Hancock no Brasil

Publicado: 27/10/2006 em Uncategorized

Tudo bem, vai, pra quem não é ligado nas superbandas do eletrônico, rap-rock ou qualquer outra subcategoria do mundo pop, o Tim Festival talvez nem faça tanta falta na sua coleção de memórias musicais. Algumas atrações, no entanto, talvez valessem tanto a pena que tiveram seus ingressos esgotados a poucos dias do início das vendas. E é da ala do “jaiz”, mais especificamente do tio Herbie Hancock, que eu tou falando.

Por isso, esse ilustre blog decidiu listar cinco motivos pelos quais você deve, sim, descabelar-se por perder o show do homem, que rola hoje em Sampa, amanhã no Espírito Santo (com Yamandu Costa – chora mais um pouquinho) e domingo no Rio de Janeiro. A convocada para me ajudar nessa penosa tarefa foi a baterista Tat Stoco, da extinta banda Jazz Praise, de Ribeirão Preto, SP (só quem ouviu sabe o furacão que esse povo fez, mas isso é história pra outro post). Respira fundo:

1. Ele compôs a música mais tocada nas canjas de todo o mundo: “Cantaloup Island”. Ah, você não conhece? Conhece, no mínimo, a versão radiofônica feita pelo grupo de acid jazz US3, nos anos 90. “Googla” aí e você vai descobrir.

2. Parceirasso de Miles Davis, Hancock tem seu lugar especial no panteão sagrado. É a oportunidade de ver uma lenda viva que criou muita coisa que inspirou o seu artista preferido (se ele for um cara decente, óbvio)

3. Ao mesmo tempo em que criou clássicos, Hancock passeia por todos os campos do gênero e se dá a liberdade de fazer parcerias com o mundo pop, como em seu mais recente trabalho, que tem o perfeito nome de “Possibilities”, com gente como Christina Aguillera e Damien Rice na bagunça. E, mesmo nessas pirações, você pode ter certeza de que vai aprender algo bacana.

4. O que seria dos Beatles (eles de novo!) sem George Martin, o produtor capaz de viabilizar tecnicamente as loucuras do Fab Four? Não sabemos. Chick Corea, um dos dragões do piano, também não saberia o que fazer se Herbie Hancock não tivesse dado apresentado um negócio chamado Fender Rhodes, dando um empurrãozinho no uso do piano elétrico. Chick descobriu que era um brinquedinho bacana e apadrinhou o bicho, para a sorte do instrumento e de todos nós.

5. E como não poderia deixar de ser, um motivo particularmente especial: Hancock faz parcerias com a baterista Terry Carrington. Quem é Carrington? Nas palavras da Tat (das quais essa blogueria não discorda), “a mulher mais foda do jazz mundial”.

Anúncios
comentários
  1. Anonymous disse:

    Hey,nice blog!!! I found a place where you can make an extra $800 or more a month. I do it part time and make a lot more than that. It is definitely worth a visit! You can do it in your spare time and make good cash. < HREF="http://www.always-cruising.info/for_extra_cash/" REL="nofollow">Make Extra Cash<>

  2. Tat disse:

    ai Anaaaaaaa!!!Vc e essa sua mania de me emocionar!!Além de eu não ajudar em nada, atrapalhei um pouco!E, ainda assim, vc me faz sentir lisongeada e ajuda a não deixar doer o fato de eu ter perdido o show do negão!!Ameeeeeeei o post.Beijos, querida!!

  3. Giul Martins disse:

    Por favor, invente-crie-manipule-elabore-produza agora cinco motivos para que eu pare de me descabelar, pq puto eu já tava de não poder ver o “HH” ao vivo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s