O show que (não) se ouviu

Publicado: 15/05/2009 em Uncategorized



A essa altura, informado leitor, você já deve saber que a passagem do Oasis por São Paulo rendeu menos bilheteria que o esperado; que a organização, comparada a outros eventos, estava ok; que a chuva se fez presente novamente, repetindo o termômetro da passagem anterior da banda na capital, em 2006; e que a voz de Liam Gallagher não é mais a mesma. Mas o que você deve também já saber, caro leitor, é que grande parte da imprensa paulistana babou de qualquer forma na apresentação. Por um único e simples motivo: essa pulseirinha que temos aí na foto.

O jornalista que não se dignou a colocar seu nariz encapuzado pra fora da chamada “área VIP” viu um show. Nesse show, Liam desafinava, a bateria se mostrava mais alta que o restante dos instrumentos e da voz, mas nada que realmente fizesse da noite um desastre. Na chamada pista, o espaço democrático e varzeano do evento, o público mal conseguiu distinguir o que era a voz esganiçada do irmão Gallagher mais emburrado do restante dos barulhos. Sim, barulhos. Faça o teste: abra um vídeo no YouTube da apresentação e mostre a pessoas que ficaram na várzea. Esse, definitivamente, não foi o show que elas ouviram.

A confusão sonora começou no show de abertura. A Cachorro Grande, empolgadíssima, tentava levantar a platéia em meio a chuva quando o som da banda simplesmente desapareceu. O público começou a fazer gesto de negativo e a vaiar. Como já havia sido bem-recebido nas canções anteriores, Beto Bruno desconfiou. Saiu do palco para reclamar, voltou e perguntou: “vocês estão ouvindo?”. Recebeu um “não”mais sonoro que tudo o que pudesse ser ouvido no Anhembi.

O show do Oasis teve início com uma falha grotesca no telão direito e, após a introdutória “Fuckin in the Bushes”, uma fraca voz se ouvia em “Rock and Roll Star”. O público emocionado fez a vez do coro. Conforme percorria o set list, Liam perdia a força e nem ousava alcançar suas indefectíveis notas agudas. A irritação do vocalista crescia na mesma proporção. Apenas quando deu folga às cordas vocais na pausa de músicas cantadas pelo irmão Liam conseguiu chegar a algo próximo das músicas originais.

O destaque ficou por conta do novato batera do Oasis. Diretamente de Liverpool, Chris Sharrock comandou não só as baquetas como um verdadeiro show de malabarismo, com pulso firme mesmo quando os irmãos Gallagher pareciam sem ânimo para iniciar ou finalizar canções.

Entretanto, eu só sei de tudo isso porque, mais do que ver, ouvi o show. Mas não precisei fazer um esforço jornalístico descomunal pra descobrir que muita gente foi embora com gosto de “cadê”. Bastou perguntar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s